Blog posts

Como é a visita à vinícola Concha y Toro?

Como é a visita à vinícola Concha y Toro?

Chile, Santiago

Ir a Santiago e não ir a uma vinícola é quase um sacrilégio: o vinho é uma divindade no Chile, bebido como água em quase todas as refeições. Se você não sabe o que é um Carménere, um Cabernet Sauvignon ou um Merlot, você precisa conhecer (e beber!) mais dos vinhos chilenos.

Mas também não se preocupe, com uma visita à qualquer vinícola da região você já vai aprender o básico e vai poder sair como um entendedor do básico de vinhos (e pagando de sommelier com os amigos).

Visita à Concha y Toro

Como chegar?

Não é difícil não, mas muitos tours em Santiago oferecem essa visita. A nossa opinião? Não caia nessa! Ir de ônibus é bem fácil e rápido (e ir no tour vai te custar umas 10 vezes mais, compre isso em VINHO! 🙂 )

Visita à Concha y Toro
A entrada da vinícola, que tem jardins imensos e bem cuidados

Pra chegar na Concha y Toro você deverá chegar a Estação de Metrô Las Mercedes, que fica na Linha 4 (Azul Escuro). Use a saída “Conha y Toro Ocidente” e você sairá de frente a um ponto de ônibus. Aí é só pegar um desses: 73, 80 ou 81 e peça para o motorista te avisar onde descer (eles já estão mais que acostumados). Mas é só uns 10 minutos do Metrô, fique esperto!

Nos hospedamos no Rado Hostel e contamos todos os detalhes de lá nesse texto aqui.

A visita Tradicional à Concha y Toro

A visita Tradicional, que é a mais simples e mais barata pela Concha y Toro, pode ser feita em espanhol, português ou inglês, é só escolher a língua quando fizer a reserva pelo site. A primeira parada é um passeio pelos jardins e pela casa do antigo dono da vinícola, que atualmente é usado como área administrativa da empresa.

O lugar é maravilhoso e super bem cuidado, cheio de detalhes e tem até coelhinhos andando pelo jardim, um charme.

Visita à Concha y Toro
Um dos vários jardins de lá, esse com os barris de vinho no fundo.

A degustação de lá é feita em partes e, depois de conhecer a plantação de uvas, provamos o primeiro vinho, normalmente um vinho branco.

Degustação feita, seguimos para a área onde é armazenado o vinho, uma sala climatizada e cheia de barris. Ao contrário de muitas visitas, lá não se conhece a área de produção de vinhos, que é apenas citada, mas não vimos os equipamentos.

E mais degustação. Dessa vez, do clássico chileno, o Carménere.


Use os nossos parceiros para viajar tranquilo e ajudar o OMMDA:

BookingReservando com esse link aqui da Booking, você não pagará nada a mais por isso e nos ajuda (e muito) a manter o blog!

Anonymous-aiga-first-aid-bg-300px A Real Seguros é um comparador de Seguros Viagens e com o nosso link você já ganha 15% de desconto em qualquer compra!


Visita à Concha y Toro
A lenda do Casillero del Diablo.

Seguimos para o espaço onde os vinhos mais premiados da Concha y Toro ficam e o lugar onde nasceu a lenda do Casillero del Diablo, que é contada de forma bem lúdica, com projeções na parede e uma gravação conta a história do vinho mais conhecido da vinícola.

Segue a gente no Instagram? Ainda não? Todas as nossas fotos estão no @omelhormesdoano. E use também a nossa hashtag #omelhormesdoano pra gente repostar as suas fotos!

Por último, degustamos o Cabernet Sauvignon, uma delícia também.

Quanto custa?

A visita tradicional custa CLP 12000 e dura cerca de uma hora. O Tour Marquês de la Concha, que é mais completo e tem a degustação de vinhos exclusivos guiada por um sommelier, custa um pouco mais, CLP 22000.

Visita à Concha y Toro
Bad Hair Day… Mas o que importa é o vinho, certo? 🙂

Ambas precisam ser agendadas por esse site aqui, mas o pagamento você efetua lá na vinícola mesmo.

Vai pra Santiago? Além de beber vinho, a gente recomenda muito conhecer os museus da cidade. Confira o nosso guia de museus pra te ajuda a escolher os que mais te agradarão!

O que a gente achou?

Não gostamos. Já sabíamos que era um fast food do vinho, mas mesmo assim pareceu muito forçado, parecia que se interrompesse a guia, ela nunca mais ia conseguir voltar na decoreba do tour, rs.

O teatrinho da história do Casillero del Diablo também foi muito forçado e, no geral, a visitação foi bem corrida, com a guia que nem deixava a gente terminar a degustação em um ponto e já tava mandando a gente seguir pra próxima parada.

Pessoalmente, recomendamos uma visita a uma vinícola menos comercial, mas das mais conhecidas de Santiago, achamos a da Undurraga (que tá explicadinha nesse post aqui) bem melhor!

Quer saber das furadas de Santiago? Leia esse post aqui!

Visita à Concha y Toro

Mas um passeio que recomendamos demais é a subida ao Cerro San Cristóbal e Santa Lucia. Veja os detalhes e as fotos aqui.

Faça uma blogueira feliz, conte o que achou do nosso post aqui nos comentários! É rapidinho!

About the author

Viciada em viajar, mas que sossegou – só um pouco – no Chile pra abrir um hostel. Já esteve em 9 países e 90 cidades fora do Brasil. Não sabe nadar (mas sabe andar de bicicleta). É facilmente comprável com doces e bom café. E é mão de vaca (isso é um dado importante).

13 Comments

  1. Bárbara
    13 de dezembro de 2015 at 11:59
    Reply

    Quando fui achei que valeu pelos jardins e pela estrutura do lugar, que é muitooo lindo!
    Porém no quesito informação, faltou muita coisa. Quando estávamos degustando já havia outro grupo muito próximo, parecendo que estavam esperando a gente sair dali. Isso foi ruim… vale por falar que conheceu a Concha y Toro…

  2. Cristiane
    13 de dezembro de 2015 at 19:11
    Reply

    Não é a 1ª vez que leio esse tipo de reclamação da Concha y Toro, que é comercial demais. Por isso não fui lá na 1ª viagem a Santiago.
    Agora vou voltar, e coloquei a Concha y Toro na lista, mas atrás de várias outras vinícolas. rs. Só vou se der tempo.
    Obrigada por dividir suas impressões conosco.
    Beijo, Cris.

    • Camila Lisboa
      13 de dezembro de 2015 at 20:05

      Coloca uma mais na lista antes da Concha y Toro: a Cousiño Macul 😉

  3. Debora
    13 de dezembro de 2015 at 23:58
    Reply

    Passei para conhecer seu blog e adorei!
    Muitas dicas interessantes!
    Fiquei morendo de vontade de ir ao Chile!

    • Camila Lisboa
      15 de dezembro de 2015 at 20:33

      Vem visitar a gente no Chile 🙂

      E esperamos que continue acompanhando! Um superbeijo!

  4. MANOLO HUERTA
    28 de Abril de 2016 at 16:00
    Reply

    TEXTO FORÇADO,A VINHA E PIONEIRA EM QUALIDADE E ACOLHIMENTO SÃO EXTREMAMENTE ATENCIOSO E MUITO CARINHOSOS COM OS BRASILEIROS, PARA ELOGIAR UMA VINHA NÃO PRECISA DESPRESTIGIAR OUTRA, EXISTEM OUTRAS TB NA REGIÃO DE COLCHAGUA E CASABLANCA QUE VALE LA PENA VISITAR …SIM DESMERECER JAMAIS A QUE DA O RECADO MUITO BEM EM CHILE, E MUNDO.

    • Camila Lisboa
      28 de Abril de 2016 at 16:31

      Ao nosso ver, não desmerecemos a Vinícola, já que falamos tudo, com detalhes o que aconteceu: os lindos jardins, a instalação bacana, etc. E a nossa opinião é pessoal, assim como a sua. Mas não me sinto, como blogueira, à vontade em recomendar essa visita, que me pareceu superficial e fraca. Citar uma outra opção foi a nossa maneira de indicar um passeio mais bacana ao leitor (e poderíamos citar outra, inúmeras, que gostamos mais).

      Opinião negativa é uma coisa, desprestigiar, é outra 😉

      Mas se você gostou, que bom 🙂 E que bom também que sentiu o carinho deles pelos brasileiros. Essa parte faltou (e muito) com a gente!

  5. Gisele
    30 de julho de 2016 at 22:41
    Reply

    Muito bom seus post

  6. Gisele
    30 de julho de 2016 at 22:42
    Reply

    Das vinícolas que vc conheceu em Santiago, qual vc indicaria pela beleza, estrutura e atendimento.?

    • Camila Lisboa
      1 de agosto de 2016 at 18:14

      Oi Gisele! Eu gostei DEMAAAAAAAAAAIS da Santa Rita. Achei o lugar lindo e a visita super completa.

      Mas a Emiliana também ganhou meu coração, já que produz vinhos orgânicos e o lugar é MARAVILHOSO!

      Dá uma olhadinha nesses posts que podem te ajudar a decidir 😉

  7. Rafaella
    24 de setembro de 2017 at 00:15
    Reply

    Boa noite, vc sabe se criança pode conhecer a vinícola? E alguma dica para o ano novo, qual melhor local para passar a virada do ano.
    Muito obrigada,
    Rafaella

    • Camila Lisboa
      27 de setembro de 2017 at 16:19

      Pode sim e inclusive não paga 😉

      Ano novo é em Valparaíso, a maior festa do Chile, Rafa!

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *